Galeria de Amigos

domingo, 17 de maio de 2015

Telha decorada

 CANÇÃO MÍNIMA

No mistério do Sem-fim,
equilibra-se um planeta.

E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro, uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro, 

entre o planeta e o Sem-fim,
a asa de uma borboleta.

Cecília Meireles
 
Entre o infinito e o eterno
o sentimento que nos une,
mesmo que um dia já não exista
a existência, o amor permanece.

Beijos!!!

8 comentários:

  1. Belos são estes lindos trabalhos,terno é este lindo poema ,dócil são as suas palavras que delicadamente escreveu ,muitos beijinhos coração.

    ResponderExcluir
  2. I la papallona, abans havia estat un cuc...
    Precioses aquestes teules decorades!

    El sentiment uneix a totes les persones que al llarg de l'univers, regalen sensibilitat...

    Petonets, Joelma.

    ResponderExcluir
  3. Como sempre, teus trabalhos são mesmo lindos. Com certeza porque são feitos com amor. Com certeza com muito amor. Que é como penso em você. Com muito amor...
    Beijo, Jo.

    ResponderExcluir
  4. Joelma sempre inspirada e inspiradora, com poemas cheios de alento e cada vez, uma bela novidade artesanal, uma verdadeira metamorfose ambulante! Sou seu fã.

    ResponderExcluir
  5. Precioso y original trabajo. Enhorabuena.
    Besos.

    ResponderExcluir
  6. Olá amiga, estou passando por aqui mais uma vez, desculpa por não deixar comentário na maioria das vezes que te visito, mas dessa vez tenho que confessar que o teu blog está muito bonito, ah, e estou te seguindo há bastante tempo já, beijokas
    Visite meu blog - Tita Carré - Crochet

    ResponderExcluir
  7. Oi Joelma!
    Eu gosto dessa citação da Cecília e também gostei da sua telha - lindo trabalho. Esta portinha esta convidativa rsrs... Fiquei aqui imaginando abrir e o que encontrar atrás dela... viagens de uma mente infantil... rsrs.

    Abração esmagador e ótimo final de semana.

    ResponderExcluir

Agradeço o carinho de sua e visita e comentário,
volte sempre que quiser tomar um café comigo,
beijos no coração,
Joelma